Categorias

Atualizações

Comentários recentes

Pesquisa

Arquivos

junho 12, 2008

Príncipe Caspian - As Crônicas de Nárnia - C.S. Lewis

0 comments
Links patrocinados

Trecho do Livro: Príncipe Caspian - As Crônicas de Nárnia - C.S. Lewis

st2010 Confira o preço no Submarino, na Livraria Cultura ou na Amazon

Era uma vez quatro crianças – Pedro, Susana, Edmundo e Lúcia – que se meteram numa aventura extraordinária, já contada num livro que se chama O leão, a feiticeira e o guarda-roupa. Ao abrirem a porta de um guarda-roupa encantado, viram-se num mundo totalmente diferente do nosso, e nesse mundo, um país chamado Nárnia, tornaram-se reis e rainhas. Durante a permanência deles em Nárnia acharam que tinham reinado anos e anos; mas, ao regressarem pela porta do guarda-roupa à Inglaterra, parecia que a aventura não tinha levado quase tempo algum. Pelo menos ninguém notara a sua ausência, e eles nunca contaram nada a ninguém, a não ser a um adulto muito sábio.As Cronicas de Narnia

Tudo isso tinha acontecido há um ano. Os quatro encontravam-se, no momento em que vamos iniciar esta história, sentados numa estação de trem, rodeados por pilhas de malas. Estavam de volta ao colégio. Tinham viajado juntos até aquela estação, que era um entroncamento; dentro de alguns minutos devia chegar o trem das meninas e, daí a meia hora, o trem dos meninos.

A primeira parte da viagem fora como se ainda fizesse parte das férias; mas, agora que se aproximavam as despedidas, todos sentiam que as férias tinham acabado e que começavam outra vez as preocupações do ano letivo. Reinava grande melancolia e ninguém sabia o que dizer. Lúcia ia para um internato, pela primeira vez.

Era uma estação rural e vazia: além deles, não havia mais ninguém na plataforma. De repente, Lúcia deu um grito agudo e rápido, como se tivesse sido mordida por um marimbondo.

– O que foi, Lúcia? – perguntou Edmundo, mas logo parou soltando um ruído parecido com hã!

– Mas que coisa... – começou Pedro, que logo também interrompeu a frase, dizendo, em vez disso: – Pare, Susana! Para onde você está me puxando?

– Nem toquei em você! – respondeu Susana. – Tem alguém me puxando. Oh, oh, oh, pare com isso!

Todos notaram que os rostos dos outros tinham ficado muito pálidos.

– Senti a mesma coisa – declarou Edmundo, quase sem fôlego. – Parecia que alguém estava me arrastando. Um puxão horrível! Epa! Lá vem de novo!

– Também estou sentindo – gritou Lúcia. – Que coisa desagradável!

– Cuidado! – exclamou Edmundo. – Vamos ficar de mãos dadas. Tenho certeza que isto é magia.

– Isso mesmo, de mãos dadas – disse Susana. – Será que isso não vai parar?

Mais um instante, e a bagagem, a estação, tudo havia desaparecido, sem deixar um sinal. As quatro crianças, agarradas umas às outras, ofegantes, viram então que se encontravam num lugar cheio de árvores, tão cheio de árvores que mal havia espaço para se mexerem. Esfregaram os olhos e respiraram fundo. Lúcia indagou:

– Pedro, você acha possível que tenhamos voltado para Nárnia?

– Pode ser um lugar qualquer. Com estas árvores tão cerradas, não se vê um palmo adiante do nariz. Vamos ver se encontramos um lugar aberto, se é que existe isso por aqui.

Com certa dificuldade, e levando arranhões dos espinhos, conseguiram desembaraçar-se dos arbustos. E foi outra surpresa. Tudo se tornou mais brilhante. Após andarem alguns passos, encontraram-se à beira da mata, a olhar de cima para uma praia arenosa. À distancia de alguns metros, um mar incrivelmente sereno avançava sobre a areia em vagas tão minúsculas que quase não se ouvia. Terra à vista não havia, e nem uma nuvem no céu. O sol estava onde devia estar às dez horas da manhã e o mar era de um azul deslumbrante.

Pararam, cheirando a maresia.

– Como é bom! – disse Pedro.

Daí a cinco minutos, estavam todos descalços, patinhando na água fria e transparente.

– Muito melhor do que estar dentro de um trem abafado, de volta ao latim, ao francês e à álgebra! – disse Edmundo. E durante algum tempo só se ouviu o barulho da água.

– De qualquer modo – disse então Susana –, suponho que tenhamos de fazer alguns planos. A fome não deve demorar.

– Temos os sanduíches que a mãe nos deu para a viagem – lembrou Edmundo. – Eu, pelo menos, estou com os meus.

– Eu, não – disse Lúcia. – Deixei os meus na maleta.

– Eu também – disse Susana.

– Os meus estão no bolso do casaco, ali na praia – declarou Pedro. – São assim dois almoços para quatro. Não é lá grande coisa.

– Neste momento – disse Lúcia –, quero mais beber água do que comer.

Todos estavam com sede, como é natural acontecer quando se brinca na água salgada, sob o sol ardente.

– É como se a gente tivesse sofrido um naufrágio – observou Edmundo. – Nos livros, sempre se encontra na ilha uma fonte de água fresca e cristalina. É melhor a gente procurá-la.

– Vai ser preciso voltar para aquela mata fechada? – perguntou Susana.

– De jeito nenhum– disse Pedro. – Se há fontes aqui, elas têm de vir para o mar; assim, se formos andando pela praia, deveremos achá-las.

Foram caminhando, primeiro sobre a areia úmida e mole, depois sobre a areia grossa que se agarra aos dedos dos pés. Edmundo e Lúcia queriam seguir descalços e deixar os sapatos ali, mas Susana advertiu-os de que isso não seria bom:

– Podemos não os encontrar depois, e talvez precisemos deles se ainda estivermos aqui ao anoitecer, quando começar a esfriar.

Pararam, pois, e começaram a calçar as meias e os sapatos.

Depois de novamente calçados, iniciaram a caminhada ao longo da praia, com o mar à esquerda e a mata à direita. Fora uma ou outra gaivota, era um lugar de todo tranqüilo. A mata era tão densa e emaranhada que quase não se podia olhar para dentro dela, e nada lá dentro dava sinal de vida, nem um pássaro, nem sequer um inseto.

Conchas, algas e anêmonas, ou pequenos caranguejos nas poças das rochas, tudo isso é muito bonito; mas, quando se está com sede, fica-se logo cansado de tudo. Os quatro sentiam os pés pesados e quentes. Susana e Lúcia tinham as capas de chuva para carregar. Edmundo, um momento antes de ser apanhado pela magia, deixara o casaco num banco da estação; assim, revezava-se com Pedro a levar o pesado sobretudo do irmão.

Daí a pouco a terra começou a encurvar-se para a direita. Cerca de um quarto de hora mais tarde, depois de atravessarem uma crista pontuda, o terreno descrevia uma curva bastante fechada. Estavam de costas para a parte do mar que haviam encontrado ao saírem da mata. Olhando para a frente, avistaram além da água outra região densamente arborizada.

– Será que é uma ilha? – perguntou Lúcia.

– Sei lá – disse Pedro. E continuaram em silêncio.

O terreno em que pisavam se aproximava cada vez mais do terreno oposto, e eles esperavam encontrar a qualquer momento um lugar em que os dois se juntassem. Mas era sempre uma decepção. Chegaram a alguns rochedos que tiveram de escalar e do topo puderam ver bastante longe.

– Ora bolas! Não adianta – disse Edmundo. – Não vamos chegar nunca à outra mata. Estamos numa ilha!

Era verdade. Nesse ponto, o canal que os separava da outra costa não tinha mais de trinta ou quarenta metros. Mas era o seu ponto mais estreito.

– Olhem! – disse Lúcia de repente. – Que é aquilo? – e apontou para uma coisa sinuosa, comprida e prateada que se via na praia.

– Um riacho! Um riacho! – gritaram todos e, mesmo cansados, não perderam um segundo a descer os rochedos e correr para a água fresca. Como sabiam que bem mais acima, longe da praia, a água seria melhor para beber, dirigiram-se logo para o lugar em que o riacho saía da mata. O arvoredo ainda era denso, mas o riacho transformara-se num fundo curso d’água, a deslizar entre altas margens musgosas, de modo que uma pessoa inclinada podia segui-lo por uma espécie de túnel vegetal. Ajoelhando-se junto da primeira poça borbulhante, beberam até ficar saciados, mergulhando o rosto na água, e depois os braços até os cotovelos.

– Bem... – disse Edmundo. – E aqueles sanduíches?

– Não seria melhor economizá-los? – atalhou Susana. – Pode ser que mais tarde precisemos ainda mais deles.

– Seria ótimo – observou Lúcia – se pudéssemos prosseguir sem ligar para a fome, como quando a gente estava com sede.

– É... mas e os sanduíches? – repetiu Edmundo. – Não vale a pena economizá-los, pois podem estragar. Aqui faz muito mais calor do que na Inglaterra, e eles estão em nossos bolsos já há algumas horas.

Assim, dividiram os dois sanduíches por quatro. Ninguém matou a fome, mas era melhor do que nada. Depois, começaram a imaginar o que seria a seguinte refeição. Lúcia queria voltar ao mar e apanhar camarões, mas desistiu quando alguém observou que ninguém tinha uma rede. Edmundo sugeriu que apanhassem nos rochedos ovos de gaivota, mas, pensando melhor, ninguém se lembrava de já ter visto um ovo de gaivota. Mesmo que encontrassem algum, não saberiam cozinhá-lo. Pedro não teve coragem de dizer que os ovos, mesmo crus, valeriam a pena. Susana ainda achava que não deviam ter comido os sanduíches tão cedo. Finalmente Edmundo disse:

– Só há uma coisa a fazer: temos de explorar a mata. Ermitões e cavaleiros andantes, e outra gente parecida, sempre conseguiram viver, de uma ou de outra forma, dentro de uma floresta. Encontravam raízes, sementes, sei lá o que mais...

– Que tipo de raízes? – indagou Susana.

– Acho que raízes de árvores – disse Lúcia.

– Vamos embora – disse Pedro. Edmundo tem razão. Temos de tentar qualquer coisa.

Começaram a andar ao longo do riacho. Não foi nada fácil. Quando não eram obrigados a se abaixar sob os ramos, tinham de passar por cima deles. Andaram aos trambolhões entre moitas de flores, rasgando as roupas, molhando os pés no riacho. E, em torno, apenas um grande silêncio.

– Olhem! Olhem! – exclamou Lúcia. – Parece uma macieira.

E era. Subiram arquejantes pela encosta, abrindo caminho pelo mato, e acabaram encontrando uma grande árvore carregada de maçãs douradas, rijas, sumarentas. Não podia ser melhor.

– E esta árvore não é a única – disse Edmundo, de boca cheia. – Olhe ali uma outra, outra lá...

– Há dezenas, não há dúvida – disse Susana, deitando fora a semente da primeira maçã e tirando outra da árvore. – Isto aqui deve ter sido um pomar, muito tempo atrás, antes que o mato crescesse.

– Houve então um tempo em que esta ilha foi habitada – disse Pedro.

– E o que é aquilo? – perguntou Lúcia, apontando para a frente.

– É um muro, um velho muro de pedra – disse Pedro.

Abrindo caminho entre os ramos carregados, alcançaram o muro. Era muito antigo, arruinado aqui e ali, cheio de musgos e trepadeiras, mais alto do que quase todas as árvores. Ao chegarem mais perto, encontraram um grande arco, que deveria ter tido antes um portão, mas estava agora quase totalmente ocupado pela mais frondosa de todas as macieiras. Tiveram de quebrar alguns ramos para poder passar. Quando atravessaram, começaram a piscar, pois a luz do dia se tornara de repente muito mais intensa. Achavam-se num amplo espaço aberto, cercado de muros. Sem árvores: só mato rasteiro, malmequeres, hera e paredes cinzentas. Mas o lugar era claro e sereno, pairando ali uma certa melancolia. Os quatro dirigiram-se para o centro dele, satisfeitos porque agora podiam esticar braços e pernas.

Arrow5 Visite a loja especial do C.S. Lewis no Submarino. CS Lewis

Veja também:

st2010 Veja a lista atualizada dos Livros mais vendidos no Brasil

st2010 Confira vagas de empregos em Estágios

st2010 Veja a lista atualizada das Taxas de Juros praticadas no Brasil

st2010 Acompanhe as atualizações através do Feed ou do Twitter
.

Notebooks
Comments
0 comments
Atualizações feedFeed | twitterTwitter

Postar um comentário